Moscas Volantes (FLOATERS)

O que é a sensação de MOSCAS VOLANTES (FLOATER) na visão ?

Como o olho envelhece, o vítreo (substância gelatinosa interna no olho) se torna menos sólida. Esta degeneração (pequenas condensações ou restos celulares) faz com que as partes das sombras vítreas sejam vistas na retina como “flutuações”. Este é um processo normal de envelhecimento e é geralmente benigna .

Podem aparecer e desaparecer e, em geral, o paciente aprende a conviver e tolerar as mesmas e quando necessário faz movimentos com os olhos e para os lados, para cima e para baixo, fazendo com que as flutuações saiam do seu campo visual.

O distúrbio ocorre com maior frequência após os 45 anos de idade, mas podem aparecer mais cedo, aos 18 anos por exemplo. São mais comuns entre as pessoas que têm Miopia, Retinopatia Diabética, Uveíte e Oclusão Vascular da Retina.

Existe um antigo ditado popular: “Se não há dor, não há moléstia”. A máxima não é adequada para os males que acometem a visão. Há diversas doenças oculares em desenvolvimento ou em estágio avançado que não provocam dor alguma no olho, apenas “leves interferências na visão”.

Segundo o oftalmologista Dr. Gustavo Bonfadini, qualquer alteração na visão precisa ser investigada. Há uma tendência natural do ser humano de tentar se adaptar ao desconforto visual.

 

View Video    View Video

 

Captura de Tela 2014-06-26 às 22.44.23   Captura de Tela 2014-06-26 às 22.44.33   O oftalmologista Dr. Almyr Sabrosa relata que a retina pode rasgar e descolar quando o vítreo degenerado a traciona. Essa rasgadura retiniana seguida ou não de descolamento de retina pode levar a pequenos sangramentos no interior do olho que podem se manifestar como um grupo de novas “MOSCAS VOLANTES”. Uma rasgadura retiniana pode se tornar séria se evoluir para descolamento de retina. Qualquer súbito aparecimento de novas “MOSCAS VOLANTES” ou flashes de luz deve ser prontamente avaliado pelo seu oftalmologista. Sintomas adicionais, especialmente a perda da visão periférica ou visão lateral, requerem exame oftalmológico completo.   O que é Descolamento Posterior de Vítreo ou DPV? À medida que envelhecemos, o “gel” vítreo torna-se menos “gel” e cada vez mais “líquido”. Ao movermos os olhos, esse vítreo mais líquido também se move, e às vezes traciona a retina a ele aderida. Como parte de um processo natural, durante a vida, o vítreo solta-se, separando-se da retina, do nervo óptico e dos vasos na parte posterior do olho. Isto é chamado descolamento de vítreo posterior (DVP). Este tipo de descolamento acontece na maioria das pessoas depois de uma certa idade e nos míopes. Algumas pessoas podem perceber clarões de luz ou manchas na visão. Os clarões são causados por trações mais fortes do vítreo nas áreas mais aderidas à retina. À medida que o vítreo traciona a retina, o cérebro interpreta esta tração como clarões de luz. À medida que o vítreo se liquefaz, soltando-se da retina, forma pequenos pontos ou cordões. Eles aparecem como manchas, pequenos círculos, teias de aranha, finos cordões ou filamentos na frente da visão. Por flutuarem no vítreo, essas condensações são chamadas de “moscas volantes”. As alterações no vítreo são mais comumente causadas pela idade, porém também podem ser conseqüência de inflamação ocular, Miopia, trauma ocular, inflamação ocular e outras causas.   View Video  View Video

 

Normalmente, o descolamento do vítreo ocorre sem causar alterações na retina, não sendo necessário tratamento. Entretanto, em alguns casos, pode ocorrer rupturas na retina, havendo necessidade de tratamento.

 

O que causa clarões de luz?

Clarões de luz ou relâmpagos podem ser vistos quando o gel vítreo traciona a retina. É a mesma sensação de “ver estrelas”, experimentada quando se aperta o olho. O aparecimento súbito de clarões de luz é um sintoma que deve ser investigado imediatamente, devido ao risco de que alguma lesão da retina possa ocorrer.

 

Enxaqueca

Algumas pessoas experimentam clarões de luz na forma de linhas recortadas ou “ondas de calor” em ambos os olhos, que podem durar de 10 a 20 minutos. Este tipo de clarão é habitualmente causado por um espasmo ou uma contração dos vasos sanguíneos do cérebro, não sendo de origem nos olhos.

Se os clarões forem acompanhados por dor de cabeça, tem-se uma condição conhecida como enxaqueca. Porém, linhas recortadas ou “ondas de calor” podem ocorrer sem dor de cabeça. Neste caso, os clarões de luz são chamados de enxaqueca oftálmica, ou enxaqueca sem dor de cabeça.

 

Importante: Assim como o aparecimento das “MOSCAS VOLANTES”, ou se você experimentar o aparecimento súbito de muitos flashes de luz você deve ser examinado por um oftalmologista experiente, para saber se existe ou não algum problema mais sério com a retina (como um rasgo na retina ou um descolamento da mesma).

 

Lembre-se: Este artigo visa informar o público e não substitui avaliação por médico oftalmologista, que é o único profissional capacitado para realizar o diagnóstico preciso e indicar o tratamento mais adequado para cada caso. Portanto, não pratique a auto-medicação e procure sempre o seu médico

 

Agende sua consulta.

Dr. Gustavo Bonfadini

Doutor em Oftalmologia e Ciências Visuais pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), realizou especialização de 3 anos em Oftalmologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Residência Médica em Oftalmologia pela Secretaria Municipal de Saúde – RJ. É especialista em Cirurgia de Catarata e Transplante de Córnea pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Fez Post-doctoral Research Fellowship em Catarata, Córnea e Cirurgia Refrativa pela Johns Hopkins University – Estados Unidos. Chefe do Setor de Córnea e Cirurgia Refrativa do Instituto de Oftalmologia do Rio de Janeiro – IORJ, atua nas áreas clínica e cirúrgica da oftalmologia geral, transplante de córnea, síndrome do olho seco, ceratocone, distrofia de Fuchs, conjuntivite, cirurgia a laser, lentes intra-oculares, cristalino e catarata.

Dr. Almyr Sabrosa

Médico-oftalmolgista pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia CBO, especialista Retina clinica- cirurgica FMUSP.


Lembre-se: O médico oftalmologista é o único profissional capacitado para realizar o diagnóstico preciso e indicar o tratamento mais adequado para cada caso. Portanto, não pratique a auto-medicação e procure sempre o seu médico.